Depressão e bem-estar subjetivo em crianças e adolescentes: teste de modelos teóricos

  • Baptista M
  • Filho N
  • Cardoso C
N/ACitations
Citations of this article
6Readers
Mendeley users who have this article in their library.

Abstract

Embora sintomas de depressão e indicadores de bem-estar sejam tidos como teoricamente ortogonais, evidências sugerem, em contraste, uma correlação negativa entre eles. O presente estudo buscou testar diferentes modelos confirmatórios para explicar a relação entre sintomas depressivos e bem-estar subjetivo em crianças e adolescentes. Participaram 331 estudantes (M = 12,42 anos; DP = 1), que responderam ao Inventário de Depressão Infantil (CDI), à Escala Baptista de Depressão – versão infantojuvenil (EBADEP-IJ) e à Escala de Bem-Estar Subjetivo (EBES). O melhor ajuste ocorreu para um modelo bifator, em que indicadores relacionados à depressão carregaram positivamente em um fator geral, enquanto indicadores de bem-estar subjetivo carregaram negativamente, além de se conectarem positivamente a um fator específico de aspectos positivos. Os achados integram as perspectivas aparentemente excludentes de que a depressão e o bem-estar subjetivo são ou polos opostos de um contínuo, ou entidades independentes.

Cite

CITATION STYLE

APA

Baptista, M. N., Filho, N. H., & Cardoso, C. (2017). Depressão e bem-estar subjetivo em crianças e adolescentes: teste de modelos teóricos. Psico, 47(4), 259. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.4.23012

Register to see more suggestions

Mendeley helps you to discover research relevant for your work.

Already have an account?

Save time finding and organizing research with Mendeley

Sign up for free