Análise das variações anatômicas do canal da mandíbula encontradas em radiografias panorâmicas

  • Andrade Y
  • Araujo E
  • Souza L
  • et al.
N/ACitations
Citations of this article
16Readers
Mendeley users who have this article in their library.

Abstract

INTRODUÇÃO: No âmbito da clínica odontológica, o bloqueio do nervo alveolar inferior é o mais utilizado; todavia, diversos estudos têm mostrado as mais altas taxas de fracasso, as quais, normalmente, têm como motivo a falha na observação da posição, da forma e da anatomia dos nervos. Essas falhas decorrentes da variação anatômica do nervo alveolar inferior já vêm sendo estudadas na literatura, através de estudos com a análise de radiografias panorâmicas, como proposto neste estudo. OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência e a prevalência das variações anatômicas, bem como a correlação das variações do canal da mandíbula com lado e sexo, que podem ocorrer no canal mandibular, por meio de radiografias panorâmicas de pacientes atendidos no Departamento de Odontologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). MATERIAL E MÉTODO: Foram analisadas 1.500 radiografias panorâmicas de pacientes atendidos pelo Departamento de Odontologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Imagens radiográficas foram observadas sobre um negatoscópio, utilizando-se uma máscara preta ao redor das radiografias, em ambiente com luminosidade apropriada. RESULTADO: Neste estudo, foram observados 5,3% de bifurcações do canal mandibular; 47,5% de canais altos; 16,8% de canais intermediários; 27,1% de canais baixos, e 8,6% de canais com outras variações. CONCLUSÃO: Baseando-se na altura do canal mandibular, houve maior prevalência dos canais altos do que os demais nas mulheres, sendo que não houve diferenças entre os gêneros com relação aos demais tipos e lados afetados. Na classificação dos canais bífidos, não houve diferença estatisticamente significante entre homens e mulheres. Observou-se que a maior prevalência foi para canais sem bifurcação.INTRODUCTION: Within the dental clinic blocking the inferior alveolar nerve is the most commonly used, however, several studies have shown higher rates of failure usually have reason to fail in observing the position of the shape and anatomy of the nerves. These failures resulting from anatomic variations of the inferior alveolar nerve have been studied in the literature from studies with the analysis of panoramic radiographs as proposed in this study. OBJECTIVE: The aim of this study was to investigate the occurrence and prevalence of anatomical variations as well as the correlated movements of the jaw with the canals side and sex that may occur in the mandibular canal in panoramic radiographs of patients of the Department of Dentistry, UFS. MATERIAL AND METHOD: Fifteen hundred panoramic radiographs of patients enrolled in the Department of Dentistry, Federal University of Sergipe (UFS) were analyzed radiographic images were observed on a light box using a black mask around the radiographs in an environment with proper lighting. RESULT: In this study 5.3% of bifurcations of the mandibular canal were observed, 47.5% of high canals, 16.8% of intermediate canals, 27.1% to 8.6% lower canals and canals with other variations. CONCLUSION: Based on the height of the mandibular canal was more prevalent among higher canals than other women, and there were no gender differences with respect to other types and affected sides. In the classification of bifid canals there was no statistically significant difference between men and women, the highest prevalence was for canals without bifurcation.

Cite

CITATION STYLE

APA

Andrade, Y. D. N., Araujo, E. B. de J., Souza, L. M. de A., & Groppo, F. C. (2015). Análise das variações anatômicas do canal da mandíbula encontradas em radiografias panorâmicas. Revista de Odontologia Da UNESP, 44(1), 31–36. https://doi.org/10.1590/1807-2577.977

Register to see more suggestions

Mendeley helps you to discover research relevant for your work.

Already have an account?

Save time finding and organizing research with Mendeley

Sign up for free