Memórias sobre a história de uma cidade: a História como labirinto

  • Siman L
N/ACitations
Citations of this article
7Readers
Mendeley users who have this article in their library.

Abstract

Neste artigo, desenvolve-se a argumentação de que a escrita da história de cidades elaborada por meio do diálogo entre a memória e a História pode oferecer possibilidades de aprendermos a nelas nos perder para nelas nos reencontrar, num tempo labirintítico. A idéia do labirinto é inspirada em Walter Benjamin (1985, 1994) e em outros que trabalham nessa tradição teórica e representa uma contraposição à compreensão do tempo histórico forjado na modernidade. Enquanto este é linear, vazio, homogêneo, o tempo labirintítico é múltiplo, não-linear, repleto de possibilidades inscritas nas relações do presente com passado e futuro. Para decifrá-lo, é necessária a aprendizagem da leitura indiciária - dos sinais, dos signos, das ruínas, das marcas, dos gestos, dos silêncios, - deixados pela ação dos homens e relatados pelos seus testemunhos. É, também, em Benjamin que se apóia a idéia de que a história como labirinto é contada pelo narrador que narra a sua experiência histórica. A escrita híbrida da história - entre a História e a memória -, base para o desenvolvimento da referida argumentação, é fruto de uma pesquisa com fontes orais e outros conhecimentos históricos, elaborada para uma dissertação de mestrado defendida pela autora do artigo, sobre a história de Governador Valadares, Minas Gerais.In this article, it is developed an argumentation concerning the writing of the history of the cities being elaborated through the dialogue between the memory and the History. This argumentation is based on the idea of this kind of writing offer possibilities of learning to lose ourselves inside the memory and the History and to find ourselves again through them, in a labyrinth time. The idea of the labyrinth is inspired in Walter Benjamim (1985,1994) as well in others who work in this theoretical line. It represents a counter-position to the understanding of historical time constructed in modern time. While the latter is linear, empty, homogeneous, the labyrinth time is multiple, non-linear and full of possibilities that are inscribed in the relation between the present and past, besides the present and future. To decode it, it's necessary to learn indicting reading - through signals, signs, ruins, marks, gestures, silences, - left by the human beings' action and reported by their testimonies. It is also supported by Benjamin's concept the idea of the history as a labyrinth being told by the narrator who reports his historical experience. The hybrid writing of history - between the History and the memory -, basis for the development of the mentioned argumentation, is constructed by a research made with oral sources and other historical knowledge and elaborated for a master dissertation defended by the author of the article about the history of Governador Valadares, MG.

Cite

CITATION STYLE

APA

Siman, L. M. de C. (2008). Memórias sobre a história de uma cidade: a História como labirinto. Educação Em Revista, (47), 241–270. https://doi.org/10.1590/s0102-46982008000100014

Register to see more suggestions

Mendeley helps you to discover research relevant for your work.

Already have an account?

Save time finding and organizing research with Mendeley

Sign up for free